Organizar fotografias no iPhone – as minhas apps preferidas

Com o nascimento do Francisco, passei a utilizar muito o iPhone para o fotografar e filmar.

Como era de esperar, a minha biblioteca de fotografias ficou uma confusão muito depressa. Para encontrar determinada fotografia, perdia imenso tempo a fazer scroll e a procurá-la.

E, no que toca à fotografia, eu gosto muito de ter as coisas organizadas. Procuro sempre usar apps que sejam práticas e que me ajudem a gerir a biblioteca (a app fotografias do iPhone não faz um grande trabalho nesse aspecto).

E há algumas apps que descobri serem muito úteis, aqui vão elas:

  • Snapseed:

Por acaso, eu gosto muito da app nativa do iPhone para editar as fotografias. Mas o snapseed é uma ferramenta muito completa e muito fácil de usar. Para o meu tratamento básico (crop para a proporção 3×2 e ajuste de contraste e temperatura) a app nativa é mais que suficiente. Mas se quero algo mais complexo, recorro ao snapseed.

O snapseed também está disponível para Android e é grátis.

  • Slidebox:

Esta app é uma das minhas preferidas. Esta é a app para organizar os álbuns no iPhone. Serve para adicionar fotografias a álbuns e eliminar aquelas que estão a mais de uma maneira muito fácil e prática. Com ela organizei toda a minha biblioteca e eliminei centenas de fotografias que só estavam a ocupar espaço. Cada fotografia da minha biblioteca está, também, em pelo menos um álbum. As fotografias da biblioteca sem álbum são fotografias “por organizar”.

Esta app é grátis para iOS e Android, mas tem features pagas (como organização de vídeos e backup na cloud).

  • Photosync:

Esta app é paga para iOS e grátis (com publicidade) para Android, e é muito útil!

Com esta app torna-se muito fácil transferir fotografias do smartphone para o computador, do computador para o smartphone, entre smartphones e não só. 

É só selecionar as imagens (podemos selecionar todas), escolher o destino e enviar. No computador escolhemos qual a pasta em que queremos guardar as fotografias e funciona muito bem!

  • HashPhotos:

Esta app só existe para iPhone e é uma ferramenta muito completa para organizar a biblioteca (é grátis, mas tem features pagas). É como se fosse Slidebox e photosync juntas, com muitas outras coisas extra. O que gosto nesta app é que é possível adicionar palavras-chave e descrição nas imagens e vídeos. No entanto, caso eu queira manter essa informação quando envio as fotografias para o computador, tenho de usar esta app para as transferir. Se utilizarmos outro método que não a app (enviar para o iCloud, por exemplo), essa informação perde-se. 

Apesar desta limitação, esta app é muito útil se gostares de colocar palavras-chave e outra informação nos metadados da fotografia. Se não levas a organização assim tão longe, a slidebox é muito mais prática para organizar por álbuns.

  • IFTTT:

Esta não é uma app de fotografia. É uma ferramenta que permite automatizar algumas acções de diferentes apps. Eu utilizo principalmente para fazer backup de alguns álbuns no google drive. Ao adicionar fotografias a um álbum, esta app tem uma “applet” que pega nessa fotografia e copia-a para uma pasta do google drive. É uma maneira muito prática e fácil de fazer backup das fotografias favoritas, por exemplo. Para além desta applet, há outras que também podem ser úteis.

Esta app é grátis para ambos os sistemas (iOS e Android).

Com estas apps, a gestão de fotografias no smartphone ficou bem mais fácil. Ajudam-me imenso! Espero que este post também te tenha ajudado!

Mas e as fotografias que temos de outras câmaras? Como as organizamos no computador? E aquelas fotografias de anos e anos que se vão acumulando em diferentes pastas, discos externos e CD’s? Chega a um certo ponto em que queremos localizar determinada fotografia e não fazemos ideia em que pasta está, não é?

Subscreve a newsletter e recebe umas dicas que estou a preparar sobre organização e gestão de fotografias que irão sair muito em breve! (Ahhh e recebe também um ebook grátis).

Fotografar com o iPhone

Como escolher um fotógrafo de família

A fotografia de família em Portugal cresceu muito nos últimos anos. Enquanto que, há alguns anos a única escolha que tínhamos eram as lojas com estúdio e aí fazer uns retratos tradicionais, hoje em dia a escolha é tanta que até a pode tornar difícil.

Há fotógrafos que dominam o estúdio e são especialistas em retrato, enquanto que outros gostam mais de fotografar na rua ou em casa das famílias. Há uns que se focam num tipo de abordagem enquanto que outros fotografam um pouco de tudo, mas cada um é único e acaba por criar o seu estilo próprio.

O importante é que, antes de escolherem um profissional para vos fotografar, conheçam bem o trabalho dele e gostem das suas fotografias. Vejam diferentes sites, consultem os portfolios e contactem-nos para esclarecer dúvidas.

 

Fotografia recém-nascido em estúdio (newborn)

Se gostam daqueles retratos em que os bebés são colocados em determinadas poses a dormir, são estes os fotógrafos que devem contratar.
Para este tipo de sessões, os bebés devem ter apenas alguns dias de vida, pois o sono deles é mais profundo e torna-se mais fácil posá-los. São sessões muito trabalhosas que podem durar 5-6 horas, pois acontecem ao ritmo dos bebés. Fazer apenas uma única fotografia requer que o bebé adormeça, colocá-lo na posição certa e esperar que ele sossegue. E isto pode demorar muito tempo. O resultado são retratos lindíssimos dos vossos bebés.

Este é um tipo de fotografia que cresceu muito em Portugal nos últimos anos. A oferta é enorme. Alguns fotógrafos gostam de usar umas cores mais leves enquanto que outros usam cores mais vivas; uns usam mais acessórios e outros preferem imagens mais simples.
É muito importante verificarem as condições de segurança e higiene que o vosso fotógrafo oferece. Para além de conhecerem o trabalho, é importante que visitem o estúdio, as condições e colocarem todas as dúvidas que possam ter.

 

Fotografia lifestyle

Lifestyle é um termo muito utilizado para descrever um tipo de sessões fotográficas que se diferencia pela naturalidade das fotografias. São fotografias com um estilo mais editorial, mas com famílias reais em vez de modelos.

Neste tipo de sessões, são criadas as melhores condições para fazer fotografias bonitas que, ao mesmo tempo, reflictam a personalidade da família. A hora e o local são escolhidos (na rua ou em casa), as roupas também podem ser selecionadas de propósito para a sessão e, durante a sessão, a família é orientada para um melhor enquadramento e luz. Existe uma grande interacção entre o fotógrafo e os fotografados para conseguir reacções e expressões genuínas.

familia com criança pequena à frente de uma casa azul

Mais uma vez existem muitos fotógrafos que adoram fotografar com esta abordagem (eu incluída) e todos muito diferentes uns dos outros. Alguns gostam de imagens cheias de luz e cor, outros gostam de imagens mais simples e neutras e outros têm um estilo mais contrastado e escuro. Há fotógrafos que têm um portfolio em imagens cheias de alegria e boa-disposição e para conseguirem isso as suas sessões são de certeza divertidas. Outros têm um portfolio forte em momentos mais calmos e cheios de carinho, pois conseguem por a família à vontade para fazer essas imagens.

Nas sessões curtas, é com esta abordagem que podem contar. Eu adoro fotografar famílias assim, seja em casa ou num local que gostem de passear e que seja especial. A sessão é direcionada e há sempre alguma pose, mas a prioridade são sempre os momentos e as expressões verdadeiras. Podem ver um exemplo de uma sessão com um bebé pequenino e outra com crianças mais crescidas.

 

Fotografia Documental

A fotografia documental de família está a dar os primeiros passos em Portugal. Ainda não somos muitos os fotógrafos a dedicarem-se a este tipo de fotografia.
Nestas sessões, o objectivo é fazer fotografias que verdadeiramente retratam a vida da vossa família – as rotinas, a personalidade de cada um, o que sentem, como se relacionam – e, aí, a interferência é mínima, não existem poses.

É fotojornalismo aplicado à fotografia de família.

familia na cama no início da manhã

Normalmente, este tipo de sessões tem uma duração longa, como é o caso das sessões “um dia na vida” que duram o dia inteiro. É preciso tempo para que os miúdos (e adultos) se habituem à presença de outra pessoa que está ali a fotografá-los no seu dia-a-dia.

O resultado de uma sessão documental é muito especial. São fotografias únicas que daqui a muitos anos, os miúdos, já crescidos, vão olhar e lembrar de como eram e de como sentiam. Imaginem o que é terem imagens da vossa infância que retratam o caos (ou quem sabe, a ordem) que eram as refeições, a hora do banho ou até aquelas megas birras que faziam para se deitarem.
Nos últimos anos procurei especializar-me neste tipo de abordagem. Podem ver aqui o meu portfolio (e acompanhar o meu instagram). Para saber mais informação sobre estas sessões entrem em contacto.

Para além destas abordagens existem muitas outras. Desde os retratos mais clássicos em estúdio feitos por fotógrafos que dominam a iluminação, a sessões mais produzidas que tornam os sonhos e a imaginação das crianças realidade. Há muito por onde escolher e a oferta nunca foi tanta.

Espero que este post vos tenha ajudado a perceber qual o tipo de fotografia com que mais se identificam e que melhor se adequa à vossa família neste momento.

Como fotografei os primeiros dias de vida do nosso bebé

Há cerca de um mês demos as boas-vindas ao nosso bebé!
Têm sido dias muito intensos e cansativos, mas muito felizes. O Francisco é um bebé tranquilo (sai aos pais) e já é, obviamente, um bebé muito fotografado.

Quando fiz a mala para a maternidade, uma das coisas que não faltou foi a máquina fotográfica carregada, com baterias e cartões extra. Queria ter as melhores fotografias dos primeiros dias de vida do Francisco.
Mas a verdade é que, durante a primeira semana, a máquina nem saiu da mala. Nem mesmo durante os primeiros dias em casa. O telemóvel acabou por ser muito mais prático e a qualidade de imagem que oferece foi mais que suficiente para este tipo de fotografias. Com ele fiz aquelas que, para mim, já são as melhores fotografias que alguma vez fiz (mãe orgulhosa a falar).

bebe a dormir com ao pé do cão

bebe no sling com a mae

Pai e bebe a dormir na cama

cao a olhar para bebe que dorme na cama

Para além da facilidade que é fotografar com o telemóvel nos dias de hoje, é óptimo poder editar as fotografias e partilhá-las no momento com a família e amigos.

Mas, para quem já estará a perguntar, sim, nós também iremos fazer uma sessão fotográfica. Ter alguém em quem confiamos para nos fotografar enquanto nós simplesmente relaxamos e vivemos o momento é muito importante e resulta em fotografias muito diferentes e de valor inestimável.

E vocês, utilizam muito o telemóvel para fotografar no dia-a-dia?

Queres saber como faço a minha gestão de fotografias e quais as minhas apps preferidas?
Subscreve a newsletter e recebe as minhas dicas na tua caixa de email para que possas consultar sempre que quiseres.

Porquê (e como) fotografar a própria família no dia-a-dia?

As situações mais corriqueiras do dia-a-dia podem não parecer ser algo muito interessante de fotografar. No entanto, acredito que é aí que os miúdos mais revelam a sua personalidade e são esses momentos que a família, mais tarde, adora recordar. E fotografar esses instantes é algo que vocês próprios podem fazer.

Quando fotografo famílias, seja numa sessão fotográfica mais convencional ou numa sessão documental, apesar de serem os pais a contratarem a sessão, é nos miúdos em quem eu penso mais. As fotografias que faço são para eles, porque sei que no futuro, serão eles serão as pessoas que mais vão gostar de as ver e lembrar de como eram.
Sei isso, porque é exactamente o que acontece comigo hoje, quando olho para as fotografias da minha infância.

E os meus momentos preferidos de fotografar são mesmo os momentos mais corriqueiros do quotidiano, como o vestir os miúdos, a hora da refeição ou mesmo uma simples ida à casa-de-banho. É nessas situações que a personalidade das crianças é mais evidente e serão essas as fotografias que eles mais vão gostar de ver mais tarde.

Por exemplo, as expressões que fazem quando não gostam da comida (e uma eventual birra) ou quando a adoram e a devoram e ficam todos sujos; ou o que fazem quando estão sentados na sanita, pois eles não ficam quietinhos, começam a mexer em coisas que estão ao seu alcance, distraem-se e há alguns que até adormecem; etc.

Mãe a tentar dar comida a criança

E nestes casos, para uma boa fotografia o mais importante é antecipar o que vai acontecer e estar preparado.

Como fotógrafa que acompanha a família no seu dia-a-dia, grande parte do meu trabalho é preparar-me e antecipar esses instantes: observar o comportamento dos miúdos, perceber o espaço para uma boa composição e bom aproveitamento da luz, e antecipar o que vai acontecer.

Vocês, pais, têm aqui uma grande vantagem. Conhecem os filhos melhor que ninguém e já conhecem essas expressões e gestos, e quando é que surgem. Assim, é só prepararem-se para o que vai acontecer e disparar no momento certo. E se, mesmo assim, não resultar, sabem que esses momentos se vão repetir, e oportunidades não faltarão.

Querem saber mais sobre como fotografar o dia-a-dia da vossa família? Subscrevam a newsletter (formulário em baixo) e tenham acesso a conteúdo incrível (prometo!) e também receberão de oferta um mini-ebook com esta e outras dicas.